TELEX PARA A RENÚNCIA DE R. CARVALHO

0

Posted by Pedro Azevedo | Posted on 13:23



Ficou a saber-se com a renúncia de Ricardo carvalho, que o ar no seio da selecção não é tão puro como se pensava, na “era pós Carlos Queirós”… Paulo Bento conseguiu resultados, voltou a injectar confiança no grupo e recuperou a relação dos adeptos com a equipa das quinas. Mas afinal, não conseguiu consolidar a união do grupo, em menos de um ano como seleccionador nacional. Uma das principais referências da equipa, Ricardo Carvalho, 75 vezes internacional, oito anos de selecção, com presença em dois europeus e dois mundiais, acaba de pendurar a camisola da selecção portuguesa, por sentir-se «desrespeitado e ferido» na sua dignidade. Ricardo Carvalho homem de boa têmpera, profissional exemplar, sem casos de indisciplina numa carreira imaculada, diz num comunicado “se me fazem sentir a mais e não mo dizem a única possibilidade é a saída”. Possível interpretação: Paulo Bento não lhe terá explicado a provável condição de suplente no jogo com o Chipre.
E se Ronaldo, já disse que não há lugares cativos na selecção, é preocupante ver aumentar fora da equipa portuguesa, uma espécie de bancada cativa de jogadores que não voltam a representar o país: Deco, Simão, Paulo Ferreira, Miguel, Tiago e agora… Ricardo Carvalho!

TELEX PARA DOMINGOS PACIÊNCIA

0

Posted by Pedro Azevedo | Posted on 12:23



Domingos Paciência não mostra confiança nos reforços contratados e reside aqui o problema mais evidente que ajuda a explicar um início de época tão fraco da equipa leonina. Na derrota com o Marítimo, o treinador apostou apenas em dois reforços de início e foi pouco ambicioso ao deixar em campo até ao fim, quatro defesas e aos retirar com as substituições os três mais adiantados: Djaló, Capel e Postiga. Também ainda não compreendi o porquê da aposta num quarteto defensivo que transita da época passada. O porquê da perda da titularidade de Rinaudo. E o porquê na linha da frente de uma dupla que rendeu no total 12 golos na época passada… A paciência da plateia de Alvalade, está a esgotar-se. E Domingos está a ser vítima das suas próprias opções.

TELEX PARA VITOR PEREIRA

1

Posted by Pedro Azevedo | Posted on 08:17



Vítor Pereira acelerou um processo que acabará por ditar a sua própria saída do cargo de presidente da Comissão de Arbitragem da Liga. O dirigente que comanda os árbitros dos campeonatos profissionais, na primeira intervenção pública, depois do lamentável caso de Aveiro, não defendeu como se impunha, João Ferreira. Reconheça-se que o juiz de Setúbal, foi infeliz nos argumentos invocados para o boicote ao Beira Mar-Sporting. Mas Vítor Pereira teria sempre a obrigação de defender o árbitro. O presidente da Comissão de Arbitragem deveria ter dito que não concorda com o castigo a que João Ferreira está sujeito, porque o árbitro entendeu que não tinha condições para apitar o jogo. Dizer que não se demite porque os árbitros precisam de quem os defendam e na mesma entrevista não defender um árbitro que incorre num castigo até oito jogos de suspensão, é um erro de palmatória que está a custar a Vítor Pereira a perda da confiança da classe e que mais dia, menos dia lhe custará o próprio cargo...

TELEX SOBRE O CASO DO BEIRA MAR-SCP

0

Posted by Pedro Azevedo | Posted on 06:57



Fernando Gomes, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, enviou uma carta aos clubes, apelando à responsabilidade dos dirigentes. A carta foi enviada na sequência do lamentável episódio de Aveiro, provocado pela escusa do árbitro João Ferreira. Para que a nova época valorize a indústria e o produto futebol, é necessário um campeonato com dirigentes que respeitem os princípios que os próprios aprovaram mas também árbitros responsáveis e capazes de resistir à crítica. E na verdade, até ao pedido de escusa de João Ferreira, argumentada com um artigo de um jornal desportivo sobre alegado mal-estar em Alvalade com a nomeação para o Beira Mar-Sporting, não houve uma única declaração de responsáveis do Sporting sobre o tema. A intenção de Fernando Gomes é louvável. Mas falta a intervenção do presidente da Liga perante o árbitro em causa e quem o dirige.

TELEX PARA A GERAÇÃO DA CORAGEM

0

Posted by Pedro Azevedo | Posted on 17:50



O seleccionador Ilídio Vale chamou "geração da coragem" a uma espécie de "geração à rasca" que representa o conjunto de jogadores brilhantemente apurados para a final do Mundial de sub-20. Na verdade, é provável que nenhum dirigente do futebol português seja capaz de enunciar a constituição da jovem equipa das quinas que se apurou para a final sem um único golo sofrido na competição que decorre na Colômbia. E a façanha dos jovens jogadores portugueses é uma providencial bofetada de luva branca naqueles que todos os dias continuam a importar jogadores estrangeiros, muitos deles de qualidade duvidosa. A 1ª Liga portuguesa tem cerca de 270 estrangeiros inscritos. Os que acrescentam qualidade aos clubes e prestígio à competição, chamando mais adeptos aos estádios, são bem-vindos. Os outros deveriam dar lugar à "geração à rasca" que precisou de um Mundial para dar o grito do Ipiranga. Resta esperar para ver se a proeza alcançada na Colômbia será suficiente para travar os contentores provenientes da América do Sul...

TELEX PARA A APRESENTAÇÃO DO SPORTING

0

Posted by Pedro Azevedo | Posted on 08:46



Ninguém gosta de perder mas o Sporting se quisesse ter um triunfo garantido no jogo de apresentação aos sócios, teria convidado um adversário de cotação inferior ao Valência, a terceira equipa do futebol espanhol, depois de Barcelona e Real Madrid. O capitão do Sporting, Carriço, foi digno ao pedir desculpa aos sócios pela derrota por 3-0. Todavia, o resultado num jogo a feijões não é importante e há outros aspectos que a nação leonina se deve orgulhar. Desde logo, o reencontro dos adeptos com o clube. Alvalade registou a maior enchente dos últimos seis anos. Um dado que confirma a recuperação da confiança dos sócios e o bom trabalho do novo elenco directivo do clube. O Sporting alterou a política desportiva e o discurso. Era imprescindível para voltar a estar à altura da sua própria grandeza. Quanto aos resultados desportivos, o treinador vai precisar de tempo para que o colectivo ganhe rotinas e os jogadores se adaptem à sua concepção de jogo. E é bom não esquecer que ainda há nomes a chegar, como o extremo Jeffrén.